Sobre a Revista

Foco e Escopo

Missão
A revista Anais da Faculdade de Medicina de Olinda, tem como missão ser um espaço científico para discussões, debates, apresentação de pesquisas, exposição de novas ideias e de controvérsias sobre a área médica e ciências afins.

Público-alvo
O público-alvo abrange profissionais de saúde, desde estudantes de graduação, pós-graduação e da área médica e ciências afins.

Cobertura temática codificada de acordo com a classificação da CAPES: MEDICINA (40100006), SAÚDE COLETIVA (40600009), MULTIDISCIPLINAR (90000005), CIÊNCIAS BIOLÓGICAS II: MORFOLOGIA (20600003), FISIOLOGIA (20700008), BIOQUÍMICA (20800002), BIOFÍSICA (20900007), FARMACOLOGIA (21000000).

Os artigos são publicados em fluxo contínuo em dois volumes nos meses de junho e dezembro. Todos são de acesso livre e gratuito, ofertados por meio do link https://afmo.emnuvens.com.br. Os manuscritos são submetidos online por meio da plataforma, disponibilizada em https://afmo.emnuvens.com.br/afmo/about/submissions.

Periodicidade

A revista adota a peridiocidade semestral e recebe artigos em fluxo contínuo.

Em decorrência do período pandêmico publicou os volumes de 2020 e 2021 com a periodicidade anual. 

Diretrizes para Autores

As diretrizes, as recomendações gerais assim como os templates para submissão e os exemplos de formatação estão disponíveis nas Diretrizes para Autores da revista.

Aprovação por Comitê de Ética em Pesquisa (CEP)

Todos os trabalhos submetidos à Anais da Faculdade de Medicina de Olinda devem ter seguido as recomendações de ética em pesquisa da Declaração de Helsinque e as normas constantes nas Resoluções nº 466/2012 (http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf) e nº 510/2016 (http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2016/Reso510.pdf) do Conselho Nacional de Saúde do Brasil.
Estudos que analisam dados agregados e sem identificação das pessoas, tais como aqueles disponíveis em bancos de dados oficiais de domínio público, estão dispensados da aprovação do CEP.
Seguindo a orientação da Comissão Nacional de Ética em Pesquisa, Conselho Nacional de Saúde, Ministério da Saúde (CONEP/CNS/MS), nenhuma instância é superior ao CEP para analisar a natureza das propostas de investigação. O CEP que aprova a pesquisa deve ser registrado na CONEP.

Os manuscritos do tipo “relato de caso” também deverão apresentar aprovação do CEP, seguindo o disposto na Carta Circular nº 166 de 2018, do Sistema CEP/CONEP/CNS, (http://conselho.saude.gov.br/images/comissoes/conep/documentos/CARTAS/CartaCircular166.pdf).

Os relatos de caso que envolvem peças cadavéricas também deverão apresentar parecer de aprovação do CEP. Os relatos que utilizarem peças oriundas de cadáver destinado às escolas médicas ou áreas afins, com a finalidade de ensino e pesquisa, além do parecer de aprovação ético, deverão apresentar a autorização da instituição responsável para realização da pesquisa.

É obrigatório o envio da cópia do parecer do CEP no ato da submissão.

Diretrizes éticas 

A revista tem compromisso com as boas práticas publicadas pelo ICMJE (International Committee of Medical Journal Editor), as Condutas Éticas e Boas Práticas de Publicação do COPE (Committee on Publication Ethics) e a Declaração de Singapura e de Hong Kong sobre Integridade em Pesquisa

Política do processo de avaliação por pares

A Anais da Faculdade de Medicina de Olinda reconhece o processo de revisão por pares como uma importante etapa do processo editorial do artigo. Desta forma, procura oferecer análises com ética e máximo rigor científico, seguindo estas etapas:

Todo manuscrito recebido é analisado quanto a adequação do estudo ao escopo da revista, a contribuição que ele oferece ao avanço do conhecimento, a sua originalidade, o rigor metodológico com que o estudo foi conduzido e a aderência das conclusões aos resultados apresentados. Além disso, os manuscritos são avaliados quanto à formatação segundo as instruções técnicas da revista. Caso alguma incorreção seja identificada, o manuscrito é devolvido ao autor de correspondência com a indicação do ajuste necessário. Apenas textos que atendam a todos os critérios de forma descritos nas “Instruções aos Autores” passam à revisão por pares.

A avaliação por pares é realizada no mínimo por duas pessoas, com vasta competência para análise do estudo. Todo o processo é duplo-cego, ou seja, revisores e autores não conhecem as identidades uns dos outros.

A Decisão editorial é dada com base nos pareceres dos revisores, podendo seguir um dos seguintes desfechos: (1) pela recusa do manuscrito; (2) por oferecer nova chance aos autores mediante apreciação e resposta aos pareceres recebidos; ou (3) aprovação com ou sem mudanças.

Artigos enquadrados no desfecho “1”, recusa, serão devolvidos aos autores. No caso dos desfechos “2” e “3”, mais de uma rodada de avaliação do manuscrito pode ser necessária. Conflito de pareceres terão novo parecer solicitado ou sofrerão arbitragem editorial. A não observância pelos autores dos prazos de revisão estipulados pela revista pode resultar no arquivamento da submissão. Artigos aprovados poderão receber modificações de diagramação, desde que, não alterem o mérito do trabalho.
A decisão final em relação aos pareceres é registrada e de responsabilidade da equipe editorial. O conteúdo presente nos manuscritos é de responsabilidade exclusiva dos autores.

Política de verificação de plágio

A Anais da Faculdade de Medicina de Olinda analisa todos os manuscritos submetidos em sistema para identificação de plágio, por meio do software CopySpider. A verificação de plágio é realizada no recebimento da submissão antes de iniciar a rodada de avaliação. Todos os arquivos com índice de similaridade maior ou igual a 3% são recusados, arquivados no sistema da revista e os autores comunicados da decisão. A revista segue as orientações do  COPE para lidar com os casos em que o plágio é incorrido.

Protocolo de interoperabilidade

A revista Anais da Faculdade de Medicina de Olinda segue padrões e protocolos de integração/interoperabilidade por meio do Open Archives Iniciative Protocol for Metadata Harvesting (OAI-PMH): https://afmo.emnuvens.com.br/afmo/oai.

Arquivamento dos artigos

Estão habilitadas as opções de arquivamento (LOCKSS e CLOCKSS) que permitem armazenar e distribuir o conteúdo da revista em bibliotecas participantes, além de ser preservada digitalmente pela PKP Preservation Network (PKP PN).

Política de Acesso Aberto

Este é um periódico científico de acesso aberto o que significa que todo o conteúdo está disponível gratuitamente, sem custo para o usuário ou sua instituição. Os usuários têm permissão para ler, baixar, copiar, distribuir, imprimir, pesquisar ou vincular os textos completos dos artigos, ou usá-los para qualquer outra finalidade legal, sem solicitar permissão prévia do editor ou do autor. Da mesma forma, não cobra dos autores nenhuma taxa ou encargo referente ao processo de submissão, avaliação, e edição.

Todos os trabalhos publicados na revista são licenciados sob uma Licença Creative Commons CC BY. Esta licença permite que os reutilizadores distribuam, remixem, adaptem e construam o material em qualquer meio ou formato, desde que a atribuição seja dada à revista.

Os autores têm a permissão para depositar todas as versões de seus artigos em um repositório institucional.

Termos da licença 

Todos os trabalhos publicados na revista são licenciados sob uma Licença Attribution 4.0 International (CC BY 4.0). Esta licença permite que outros distribuam, remixem, adaptem e desenvolvam seu trabalho, mesmo comercialmente, desde que creditem a revista pela criação original. 

Histórico

A revista Anais da Faculdade de Medicina de Olinda foi criada em 2018 e, desde então, é o veículo oficial da Faculdade de Medicina de Olinda para apoio aos seus princípios, especialmente àqueles relacionados ao incentivo à pesquisa, ao ensino e à prática profissional médica. Apresenta-se como importante instrumento de divulgação de conhecimento, permitindo intercâmbio com outras áreas que atuam em prol da medicina e da comunidade, possibilitando a melhoria do padrão da assistência integral à população.